terça-feira, 5 de janeiro de 2010

One more time, please!



Está claro em minhas ideias que a vida, os encontros e desencontros, começos e fins, acontecem por si e com algum propósito. Ao mesmo tempo, entro em contradição ao tentar tomar as rédeas daquilo que vejo, vivo e sinto. Mudo a cada compasso somente ao ouvir uma música, mesmo que pela enésima vez. Sempre me flagro sentindo e pensando em algo novo, diferente, que produz em mim um rebuliço que sinceramente não sei se gostaria de sentir. Ou talvez eu só esteja exagerando, pois é isso que faço quando escrevo. Possuo certa liberdade para assumir determinados heterônimos que ficam dormindo enquando vivo minha vida de exageros.



Exageros pois gosto daquilo que me toca, me transforma. Gosto de conhecer alguém que me provoque mudanças, caso contrário a experiência não é válida. Tenho a inconstância como parceira fiel em todos os aspectos. Às vezes me questiono sobre o enorme medo que sinto do imutável, e penso que a satisfação completa vem com ele. Por isso essa minha ''fome'', essa insatisfação. Quero tudo. Quero o mundo. Sinto como se ele fosse meu, ou pudesse ser. Sonho e gosto de sonhar. No sonho eu posso tudo e com todos. Isso talvez seja a felicidade plena: sonhar, desejar, buscar e alcançar. E pior, querer de novo...

4 comentários:

degaragem disse...

tu escreve de uma forma confusa, mas divertida. Acaba prendendo a pessoa no texto, mas tirando a atenção dela sobre o que tu tá escrevendo.

Eu gosto dessa maneira de escrever, mas acho que muita gente se perde. Pode ser apenas por tu ter um título deslocado, ou por tu ter deslocado os fragmentos do texto mudando toda a ordem.

Podes dar uma melhorada nisso, levando em consideração o inicio, meio e fim. Sempre como introdução do assunto, desenvolvimento e conclusão.

Marjorie disse...

Não escrevo para os outros, essa não é minha inetenção, que fique claro. Escrevo para mim. Mas obrigada pelas dicas ;)
volte sempre!

seuvicio disse...

Tudo é imutável pq tudo existe. É só uma questão de perspectiva.

Teia de Textos disse...

Gosto de como você escreve... é uma questão de estilo.
Saudade de você, querida! =)